foto1
foto1
foto1
foto1
foto1
Fiscalização Preventiva Integrada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A equipe Fauna da Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (FPI do São Francisco) realizou, na manhã desta sexta-feira (09), a soltura de mais 343 animais silvestres, entre aves e jabutis. Todos foram devolvidos à natureza, após identificação e triagem, o que permitirá, por exemplo, a recuperação populacional das espécies.

Ao todo, foram 323 aves e 20 jabutis devolvidos à caatinga. Outros 25 pássaros serão encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) do Ibama, em Maceió, por necessitarem de maior tempo de recuperação. E em razão do longo tempo em cativeiro, alguns deles podem, inclusive, não readiquirir a condição de retornarem a seu habitat natural.

Há, ainda, 61 aves que permanecem na base da equipe Fauna da FPI para posterior soltura em área de Mata Atlântica, já que ainda necessitam de cuidados ou não pertencem à caatinga.

“A marcação por meio de anilhas também tem como objetivo medir a eficiência do nosso trabalho. Isso porque, se tivermos uma taxa de reapreensão [por parte dos infratores] muito alta, precisaremos reavaliar nossa metodologia. Além disso, o anilhamento também serve à academia, pois, pode subsidiar futuros estudos pelas universidades", afirmou o biólogo Lahert Willliam, que coordenou a soltura de hoje.

Ele reforça também a possibilidade da entrega voluntária, que acontece, durante toda a FPI, na base do Ministério Público Estadual (MPE) em Santana do Ipanema. “A entrega voluntária exime o dono do animal de qualquer penalidade”, destacou, acrescentando que a multa para quem for pego com um papagaio, por exemplo, é de R$ 5 mil.

Na última terça-feira (06), a equipe Fauna já havia devolvido à natureza quase 150 animais. Em cinco dias, a FPI já resgatou cerca de 500 animais silvestres nos municípios alvos da fiscalização, entre aves, répteis e mamíferos.

Quase 100 pássaros em um único viveiro

E apesar do trabalho de conscientização da FPI junto à população sertaneja, ainda há quem persista na prática de crimes ambientais. Nessa quinta-feira (08), a equipe Fauna autuou, em Olho d’Água das Flores, um homem que mantinha 89 pássaros silvestres em um grande viveiro de alvenaria construído nos fundos de sua residência, razão pela qual foi autuado em R$ 44,5 mil, com o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) lavrando um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) em desfavor do suspeito.

Já em Monteirópolis, outro infrator flagrado com animais na última visita àquele município, em edição anterior da FPI, foi autuado em R$ 13 mil. “Naquela oportunidade, fizemos apenas o recolhimento dos pássaros porque ele não havia sido localizado. Agora, terá de responder também criminalmente”, explicou Epitácio Correia, coordenador da equipe Fauna.

Ministério Público do Estado de Alagoas - Desenvolvido pela Diretoria de Tecnologia da Informação